sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

Tagged under:

Criando métodos de extensão em Java com Lombok

Hoje gostaria de compartilhar com vocês o post feito por Matheus Carvalho sobre como criar o recurso de extensions methods usando Lombok com Java. Extensions Methods é um recurso da linguagem C# que é conhecido pela galera que programa em .net. Segundo a definição do site da documentação do C#:

Os métodos de extensão permitem que você "adicione" tipos existentes sem criar um novo tipo derivado, recompilar ou, caso contrário, modificar o tipo original. Os métodos de extensão são um tipo especial de método estático, mas são chamados como se fossem métodos de instância no tipo estendido. No caso do código cliente gravado em C#, F# e Visual Basic, não há nenhuma diferença aparente entre chamar um método de extensão e os métodos realmente definidos em um tipo.

Para quem não conhece o project Lombok ele serve para redução de boilerplate code.

Mais sobre lombok pode ser visto no site do projeto ou no vídeo do Canal Sou Java com Francislei Reis e Wellington Pinheiro.

Link para o post.

segunda-feira, 6 de novembro de 2017

Tagged under: , , , ,

TI Talks Unifacs




No dia 29/11 a partir das 19:30 acontecerá duas palestras promovidas pelo grupo Java Bahia em parceria com o SouJava.

O evento será gratuito e aberto ao público. Contamos com a participação de todos para falarmos sobre NoSQL e Arquiteturas Servless.

Abaixo um resumo do evento:

  • Data: 29/11 19:30
  • Local: Universidade Salvador (Unifacs), Campus Professor Barros
  • Endereço: Av. Luís Viana, 3146 - Imbuí, Salvador - BA, 41720-200.
  • Inscrições: https://www.sympla.com.br/ti-talks-unifacs__213011 (sem a inscrição não será possível ingressar as dependências da Unifacs)
  • Evento gratuito

Mergulhando no Serverless com Fn Project

Arquitetura serverless é um dos tópicos mais falados no mundo de software atualmente, comparado à containers, microservices e cloud. Plataformas serverless permitem aos desenvolvedores distribuir e gerenciar blocos de código que exerçam uma funcionalidade única, onde o usuário é cobrado por chamada e normalmente baseado no total de recursos consumidos. Este modelo muda radicalmente como as aplicações são organizadas, distribuídas e cobradas, e está quebrando paradigmas no mundo ainda em evolução da computação em nuvem.
Nesta palestra você aprenderá sobre a plataforma Fn, uma nova abordagem baseada em containers que fornece uma solução simples, portável e poliglota para o desenvolvimento de aplicações. Tudo para que você possa criar código cada vez mais especializado, e se preocupar cada vez menos com o ambiente em que ele vai rodar.

Mini bio:
Elder Moraes ajuda desenvolvedores server side a construir e entregar aplicações seguras, rápidas e disponíveis, para que assim possam trabalhar nos melhores projetos do mercado. Apaixonado por Java EE, cloud e arquitetura de sistemas, ele compartilha suas experiências através de conteúdo online e eventos internacionais como JavaOne, The Developers Conference, Oracle Code e Campus Party.
Desenvolvedor desde 1999, já atuou nos mais diversos mercados e projetos, desde logística até finanças, passando por sistemas jurídicos e de recursos humanos. 

Turbinando Java EE com persistência poliglota: Com o nascimento do Java EE 6, houve uma grande reviravolta no mundo Java EE. Um dos recursos mais marcantes com esse lançamento, certamente, foi o CDI. A injeção de dependência, além da extensão elevou as aplicações Java EE para um novo patamar e com lançamento do Java EE 7 e as promessas do CDI 2.0, com o Java EE 8, ficará ainda melhor! Porém, uma das grandes lacunas no mundo Java EE são as integrações com os bancos não relacionais. Tendo que, muitas vezes, realizar toda a programação e integração manualmente. Recém-lançado, o projeto JNoSQL, da Eclipse Foundation, visa a comunicação e integração da aplicação Java com os bancos NoSQL.

Mini-bio: Otávio Santana is a developer and enthusiast of open source. He is an evangelist and practitioner of agile philosophy and polyglot development in Brazil. Santana is a JUG leader of JavaBahia and SouJava, and a strong supporter of Java communities in Brazil, where he also leads the BrasilJUGs initiative to incorporate Brazilian JUGs into joint activities. He is a cocreator and is also responsible for the Linguagil Group, merger of Java, Ruby, Python, and Agile groups that promotes agility across language-focused communities.

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

Tagged under: , ,

UCSalTalks09: Carreira desenvolvedor de Software

  • O quê? UCSalTalks09: Carreira desenvolvedor de Software
    Sobre? Experiências e dicas de um desenvolvedor Java
  • Quando? 19/09/2017 das 10:45 as 12:30h
    Onde? UCSal - Campus de Pituaçu - Prédio C (prédio da pós) - Auditório
  • Quem? Antonio Lázaro Carvalho Borges:
    Bacharel em Informatica pela Ucsal, Pos-graduado em Engenharia de Software pela FRB, Jug Leader do JavaBahia. Desenvolvedor de software profissionalmente desde 2006, envolvido com a programação desde o início da graduação em 2003. Atuou em várias áreas de engenharia de software, de equipe de testes, programador, analista de requisitos, desenvolvedor, engenheiro de software, arquiteto, líder de equipe, P&D, consultor.
Inscrições pelo endereço: https://goo.gl/VLDV2q

quinta-feira, 31 de agosto de 2017

Tagged under: , ,

Ucsal Talks 08

UCSalTalks08:
BigData, Inovação e Java
Fabio Velloso
UCSal.Campus Pituaçu.Prédio B.Sala de Vídeo.
Inscrições em goo.gl/JoH7Vu

Sobre a palestra:
Vivemos em um mundo conectado e a cada segundo geramos uma imensidão de dados através de dispositivos móveis, redes sociais e comércio eletrônico. Dados estes que são essenciais não só para conhecer melhor nossos clientes e fazer ofertas mais adequadas como também gerar novos “insights” para inovação. Neste contexto surgem as aplicações e plataformas que convencionamos chamar de Big Data. Neste palestra serão apresentados os conceitos e tecnologias relacionadas, relação com Internet das Coisas (IoT), além de aplicações, casos de sucesso. Também serão apresentados frameworks e novidades do Java para desenvolvedores construirem suas aplicações

Sobre o palestrante:
Desenvolvedor inquieto desde a infância, Bacharel em Ciência da Computação e professor de Arquitetura Orientada a Serviços (SOA) na UFSCar. Arquiteto responsável por diversos projetos de Internet Banking, SOA, integração e segurança em instituições financeiras, de telecomunicações e de varejo. Fundador e diretor do SouJava e Consultor da Summa Technologies, atualmente desenvolve projetos de Integração, Big Data, Cloud Computing, Integração Continua e DevOps.


quinta-feira, 3 de agosto de 2017

Tagged under: ,

Experiência com o medium...

Pessoal,

vamos fazer uma experiência de migrar as postagens do blog para o Medium para tentar alcançar o máximo de pessoas possíveis com os nossos posts.

Para acompanhar basta nos seguir lá também...https://medium.com/javabahia

Já temos nosso primeiro post lá feito por nosso amigo Mateus Malaquias...Confere o post falando sobre CDI 2.0

sexta-feira, 28 de julho de 2017

domingo, 23 de julho de 2017

Tagged under: ,

Review TDC SP - 2017

Tive a oportunidade de participar da edição 2017 do TDC (The Developer Conference) que aconteceu entre 18/07 e 22/07 em SP. Comentando com alguns amigos, percebi que algumas pessoas nunca tinham ouvido falar do evento e isso me motivou a fazer esse post. Além de, claro, escrever sobre o evento que achei espetacular!

O evento: Atualmente, acontece anualmente em três cidades do país. São Paulo, Florianópolis e Porto Alegre. Quem não foi para a edição 2017 em Florianópolis (03/05 a 06/05) ou São Paulo (18/07 a 22/07) ainda tem a oportunidade de participar do TDC Porto Alegre, que ainda não tem programação definida e será entre 08/11 a 11/11.

O TDC é realizado pela Global Code e foi fundado por Yara Senger e Vinicius Senger. Ele acontece desde 2008 em Florianópolis e São Paulo. De lá para cá, outras cidades também já receberam a conferência, como Rio de Janeiro (2009) Goiânia (2011 e 2012) e desde 2013 Porto Alegre faz parte do roteiro do TDC.

O evento teve 62 trilhas e 21 workshops. Em relação ao TDC Florianópolis 2017 houve um crescimento de mais de 60% no número de trilhas!

Investimento: Quanto mais cedo a decisão e inscrição de participar do TDC, mais barato o processo de inscrição. Nessa edição 2017, houveram três fases de inscrição. Existe um desconto progressivo (2 inscrições: 5%, 3 inscrições: 10%, 4 inscrições: 15% e 5 inscrições: 20%) na compra de mais de uma trilha (não aplicável ao TDC4Kids)

No caso de compras acima de R$ 200,00 é possível parcelar em até 6x pelo paypal.

  • Trilha: 
    • 1ª fase: R$ 140,00
    • 2ª fase: R$ 180,00
    • 3ª fase: R$ 240,00
  • Worshop (meio período):
    • 1ª fase: R$ 200,00
    • 2ª fase: R$ 250,00
    • 3ª fase: R$ 300,00
  • TDC4Kids (meio período):
    • 1ª fase: R$ 90,00
    • 2ª fase: R$ 120,00
    • 3ª fase: R$ 150,00
Grupos e empresas tem descontos, entrando em contato com os organizadores é possível obter mais informações.

Organização: Existem diversos patrocinadores no evento, estes expõem suas marcas em folders, banners, e stands. Nos stands é possível conhecer produtos das empresas, bem como as próprias empresas, que em alguns casos mostram as vagas que tem disponível, explicam como é o ambiente dentro da empresa. Fornecem brindes e alguns workshops paralelos. Aconteceram alguns eventos dentro do TDC:
O TDC tinha uma loja com venda de produtos próprios (óculos, camisetas, canecas, etc) além de possuir um espaço com Foodtrucks. Ao comprar ingresso você tinha direito a comer uma refeição (algumas opções de hamburguers) e escolher uma bebida. 

Segundo palavras da própria Yara, o TDC é um evento de comunidade feito pela comunidade para a comunidade. Por que falo isso? Algumas das trilhas dessa edição, surgiram de demandas dos próprios participantes que se organizaram, pediram aprovação, apresentaram projeto e conseguiram incluir uma trilha. Isso é muito bom.

Formato: O evento é dividido em trilhas por dia que rodam simultâneamente separadas por tecnologias/plataformas/áreas da computação. Cada trilha tem pelo menos 7 palestras de 30 a 60 minutos. Algumas trilhas tem um número maior de palestras, mas a carga horária é a mesma para todas trilhas.

A trilha Stadium é uma seleção de palestras de diversas trilhas do mesmo dia que tem como objetivo dar a oportunidade ao participante de assistir algum conteúdo de outra trilha que ele gostaria de participar mas não foi possível. Como tudo na vida, tem seu "custo", ao assistir a trilha Stadium, in loco, o participante deixará de ver alguma palestra de sua trilha. Uma informação importante, a trilha Stadium é transmitida gratuitamente (link para se inscrever para assistir) e é possível a partir de um pagamento de R$ 90,00 (que pode ser dividido em 3x), assistir algumas trilhas que foram selecionadas pela organização para serem gravadas:

Trilhas do TDC Online:



Participação das mulheres: O evento contou com 15% de mulheres palestrantes (107 mulheres) e teve uma trilha dedicada ao tema mulheres na computação.

Participação de pessoas com necessidades especiais: Foi incluída uma trilha para discutir acessibilidade e como fazer inclusão de pessoas com necessidades especiais através da computação.

Participação das crianças: Pensando na geração futura, rolou uma trilha para crianças (a partir de 7 anos).

Isso é um pequeno resumo de um evento grandioso e muito bom. Parabéns a todos envolvidos. Em especial ao nosso amigo Otávio Santana que se tornou TDC Rockstart!!

Parabéns a todos envolvidos que ajudam a desenvolver a computação/desenvolvimento de software em nosso país.